A Espuma dos Dias

    Origem: França, Bélgica
    Ano: 2013
    Direção: Michel Gondry
    Roteiro: Michel Gondry
    Produção: Brio Films / StudioCanal / Scope Pictures / France 2 Cinéma / Hérodiade
    Elenco: Romain Duris, Audrey Tautou, Gad Elmaleh, Omar Sy, Aïssa Maïga, Charlotte Lebon, Sacha Bourdo, Philippe Torreton, Vincent Rottiers, Laurent Lafitte, Natacha Régnier, Zinedine Soualem, Alain Chabat, Michel Gondry
    Gênero: Comédia, Drama, Fantasia
    Classificação: 14 anos
    Duração: 125 min.

    A Espuma dos Dias

    O casamento entre o imaginativo e entusiástico Colin (papel desempenhado por Romain Duris) e sua esposa Chloe (Audrey Tauton) encontra uma situação muito difícil como resultado de uma situação surreal.

    O romance entre o jovem rico começa a diminuir quando a mulher fica doente, em consequência de um nenúfar que se desenvolve em um dos pulmões. Apesar da vida confortável de Colin, logo o dinheiro torna-se escasso para o tratamento médico e é aí quando o protagonista deve se dar a mão para a inventividade e reunir o dinheiro.

    A Espuma dos Dias

    Para gerar receita, ele começa trabalhar em Paris, em uma trama absurda, quase ilógica e irreal, enquanto, seus amigos, entre eles, o cozinheiro Nicolas e Chick, cada vez mais longe dele.

    “A Espuma dos Dias” desenvolve ideias e significados como o amor, a morte, o drama e a doença, que estão ligados nesta história. O filme é inspirado na grande obra escrita por Boris Vian, “L’Ecume des Jours”, que já foi filmado por Charles Belmond, uma adaptação em 1968.

    A Espuma dos Dias

    O filme, de gênero dramático e fantástico, foi dirigido por Michel Gondry, considerado como o mais “hollywodense” dos diretores franceses. Está protagonizado por conhecidas faces do cinema como Romain Duris (O Eningma Chinês) e Audrey Tautou (O Fabuloso Destino de Amélie Poulain).

    Os críticos observaram que o diretor do filme (Gondry) exagera os efeitos especiais na narrativa, misturando os tempos, os anos após da Segunda Guerra Mundial, com outra parte dos anos 70 ou 80, configurando mais um excesso de pirotecnia audiovisual que um filme propriamente arte.

    O filme é falado inteiramente em francês e teve um custo de US$ 26 milhões.